Conhece o ar que respiras

Portugal está nos dez países que apresentam melhor qualidade do ar, entre os 41 países presentes no relatório da Agência Europeia do Ambiente.

Ainda assim, estima-se que as partículas PM2.5, NO2 e O3 são responsáveis pela morte de 6.000 portugueses todos os anos.

É possível e importante que todos conheçam a qualidade do ar que respiram.

Para isso basta visitar o índice QualAr em:

qualar.apambiente.pt

para toda a Europa:

airindex.eea.europa.eu

o Ar

O ar que nos rodeia é constituído essencialmente por azoto e oxigénio.

Respiramos desde o momento em que nascemos até ao momento em que morremos.

É uma necessidade vital e constante, não só para nós, mas para toda a vida na Terra.

Uma boa qualidade do ar é essencial para todos.

A nossa saúde, o ambiente e até a economia dependem dela.

A qualidade
do Ar

A qualidade do ar depende dos níveis de emissão de poluentes e da capacidade de dispersão no ar.

As condições de grande estabilidade da atmosfera ou seja, situações de calmaria, levam à permanência dos poluentes no ar originando episódios de poluição do ar.

morrem prematuramentepor ano em Portugal devidoà poluição atmosférica.6000pessoas
Aquecimentodoméstico36%26%2%1%Transporterodoviário7%8%41%-Energia10%13%35%64%Indústria47%33%4%26%Agricultura6%4%3%-

Dados APA (2017)

Poluentes Atmosféricos

O ar que respiramos pode conter também partículas e gases poluentes.

Alguns destes ocorrem naturalmente, outros resultam da atividade humana tais como tráfego, produção de energia, agricultura, processos industriais, entre outras.

O transporte de poeiras do Saara, que ocorre várias vezes ao ano, é também uma fonte importante de partículas no nosso país.

A Organização Mundial de Saúde identifica as partículas em suspensão (PM), o dióxido de azoto (NO2), o dióxido de enxofre (SO2) e o ozono troposférico (O3) como os poluentes atmosféricos mais prejudiciais para a saúde humana.

O O3, ao contrário dos outros poluentes não é emitido por nenhuma fonte. Forma-se por reação química de poluentes como os óxidos de azoto na presença de forte radiação solar.

As partículas em suspensão (PM), com origem em várias fontes, constituem o grupo de poluentes mais prejudicial à saúde.

Quanto mais pequenas forem maior é a probabilidade de penetrarem profundamente no aparelho respiratório e maior o risco de induzirem efeitos negativos.

As partículas inaláveis (PM10 e PM2.5) chegam aos pulmões e as PM2.5, as mais finas, chegam mesmo a entrar na corrente sanguínea

O NO2 é sobretudo proveniente do tráfego rodoviário e nas grandes cidades é o principal responsável pela fraca qualidade do ar.

O SO2 atualmente não representa um problema para a qualidade do ar, resultado de várias medidas, como p.ex. da redução teor de enxofre nos combustíveis fósseis.

Principais efeitos da poluição do ar:

Saúde Humana

Doenças respiratórias (asma, bronquite, enfisema pulmonar) e cardiovasculares (enfarte do miocárdio, AVC);

Problemas de fertilidade, podendo também estar associada a cancro do pulmão ou a Alzheimer e demência;

Morte prematura e diminuição da qualidade de vida.

AVCDoenças respiratóriasDoenças pulmonarese cancro do pulmãoDoençascardiovascularesDoençasdo fígado e sangue

Ecossistema

Afeta a qualidade da água e do solo e consequentemente a fauna e flora;

Afeta a diversidade das espécies, reduzindo a biodiversidade;

Danifica a agricultura, florestas e plantas, reduzindo a sua taxa de crescimento.

Alterações Climáticas

Poluentes atmosféricos, como ozono, partículas e óxidos de azoto, conhecidos como "forçantes climáticas", têm influência na radiação solar retida pela superfície terrestre e refletida para a atmosfera, contribuindo para as alterações climáticas.

Escolhe o ar que respiras

O tráfego rodoviário, apesar das melhorias significativas que têm vindo a ser introduzidas nos veículos, continua a ser a maior fonte de poluição do ar nas áreas urbanas.

O crescente aumento do uso de transporte individual tem gerado problemas de congestionamento, de ruído e na qualidade do ar, contribuindo para a degradação da qualidade de vida das pessoas.

Compete a cada um de nós, com pequenas ações, contribuir para a mudança.

A mudança
começa agora

Este é o ar
do teu país

A qualidade do ar no nosso país é hoje significativamente melhor do que nas últimas décadas.

Ainda persistem problemas de poluição do ar, sobretudo nas áreas urbanas.

Os poluentes que causam maior preocupação são as partículas finas em suspensão, o dióxido de azoto e o ozono troposférico.

É possível e importante que todos conheçam a qualidade do ar que respiram.

Para isso basta consultar o índice QualAr em

qualar.apambiente.pt

BONS HÁBITOS PARA
UM BOM AR

Todos podemos contribuir para diminuir estas emissões:
  1. Usar transportes coletivos;
  2. Fazer as pequenas deslocações a pé ou de bicicleta;
  3. Efetuar as revisões periódicas do veículo e manter os pneus calibrados, diminui a emissão dos poluentes e poupa dinheiro;
  4. Limitar o uso do automóvel ao estritamente necessário;
  5. Abastecer o veículo fora das horas de maior calor;
  6. Moderar a utilização do ar-condicionado no veículo;
  7. Apostar na mobilidade partilhada;
  8. Fazer uma condução eficiente (arrancar suavemente; reduzir a velocidade, utilizar o travão do motor, evitar acelerações e travagens bruscas)

Escolhe veículos de baixas emissões

Nos dias de hoje já existem veículos de motores a combustão com tecnologias mais limpas, veículos movidos a eletricidade ou a hidrogénio.

Escolhe mobilidade partilhada

Opte por partilhar o seu veículo ou utilize as opções de partilha disponíveis na sua cidade: carro, mota, bicicleta ou outros.

Escolhe a bicicleta

Use preferencialmente as ciclovias da sua cidade para uma deslocação mais rápida e segura.

No seu trajeto combine o uso de bicicleta com transportes coletivos.

Pode fazer uso de modo de partilha de bicicleta convencional ou elétrica.

Escolhe andar a pé

Andar é o exercício mais natural, económico e simples de todos, mas não é por isso que os seus benefícios são menos importantes.

Caminhando viverá mais anos e terá uma vida melhor para si e para os outros.

Protege
-te
Tu és o ar que respiras

Graças à implementação de políticas e medidas e à cooperação internacional, o ar na Europa e no nosso país está hoje mais limpo do que nas últimas décadas, beneficiando todos nós.

Apesar das melhorias, ainda se verificam episódios de poluição em algumas zonas, divulgados pelas autoridades competentes através de avisos à população.

Conhece a qualidadedo ar

Consulte o índice QualAr para a sua zona ou para o seu destino no país ou na europa.

O índice QualAr tem 5 classes: Muito Bom, Bom, Médio, Fraco e Mau, que indicam o estado da qualidade do ar.

Medidas para minimizar a exposição ao ar poluído:

Durante um episódio de poluição, esteja atento às medidas indicadas pelas autoridades e siga os conselhos de saúde adequados à sua situação.

ÍndiceConselho de Saúde
Mau
Todos os adultos devem evitar esforços físicos ao ar livre. Os grupos sensíveis (crianças, idosos e indivíduos com problemas respiratórios) deverão permanecer em casa com as janelas fechadas.
Fraco
As pessoas sensíveis (crianças, idosos e indivíduos com problemas respiratórios) devem evitar as atividades ao ar livre. Os doentes do foro respiratório e cardiovascular devem ainda respeitar escrupulosamente os tratamentos médicos em curso ou recorrer a cuidados médicos extra, em caso de agravamento de sintomas. A população em geral deve evitar a exposição a outros fatores de risco, tais como o fumo do tabaco e a exposição a produtos irritantes contento solventes na sua composição.
Médio
As pessoas sensíveis, nomeadamente crianças e idosos com doenças respiratórios devem limitar atividades físicas intensas ao ar livre.
Bom
Nenhum
Muito Bom
Nenhum

Tempo de actividade
ao ar livre

Desloque a atividade regular ao ar livre para longe dos locais em que os níveis de poluição do ar são mais altos.

Em muitas cidades, a poluição atinge o pico no final da manhã e no início da noite durante a hora de ponta.

Protege-te

Em filas de trânsito conduza com as janelas fechadas

Avalie com o seu médico se tem alguma condição de saúde que o torna mais suscetível à poluição do ar.

Em situação de episódio de poluição reduza a sua exposição ao ar exterior.